"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

30 de jul de 2012




Este é um blog que virou livro...





Obrigada pelas visitas

Olhos de Folha

Cíntia Thomé






Julho, 2012

3 comentários:

Fanzine Episódio Cultural disse...

O canto do cisne

Sentado à beira de um rio
Encontra-se um poeta.
Furtivo em pensamentos
Mudo, sem fala, sem dialética,
Expurgado de sua realidade.

Outrora ousado,
Selvagem e valente;
Agora patético
Pusilânime e negligente.

Em seu flanco esquerdo
Eis que surge um cisne
- Negro como a noite -
Tão misterioso quanto
O seu canto.

Subitamente o poeta ressurge,
Incomodado pela intuição.
Como criança, agarra-se
A um pedaço de papel
Que o tortura com um látego de palavras.

Lágrimas lhe caem do rosto,
Rubras como a vergonha
Vermelhas como o sangue.
...E ao longe, quase tocando
O crepúsculo, ouve-se
Um belo e derradeiro
Canto de um cisne.

(Agamenon Troyan)

Humberto Firmo disse...

Snif!
todos os sentidos passam por mim
cortam, feito navalhas, as palavras.
já não há mais, é muito forte.
"e eu já não sou forte mais"

um tranquilizante talvez
um tarja-preta, um vinho bem encorpado
algo precisa ser menos torpe.

mas, etapas e tapas acontecem.

sentimentos novos no novo caminho....

Anônimo disse...

DEVE TER SEUS MOTIVOS PARA NÃO CONTNUAR O BLOG...A MIM PARECE COM MUITA QUALIDADE E DE FRANCO BOM GOSTO. gOSTARIA DE VÊ-LO CONTINUAR...SE POSSÍVEL! pLEASE.bÉ