"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

28 de abr de 2011

Inteiro, meio partido na partida...


Inteiro, meio partido


venha buscar-me
luz, luz, venha fosca
meus olhos morrem, estão morrendo
dentro deles só o contorno
de um corpo
sim, um corpo que senti
amei, esqueci e amei tanto
vivo, um quase meio morto
fases da vida de vida
que não menti
a um lobo já velho arcado
venha sorrateira
de soslaio
como faróis da madrugada
como aquela que balançávamos o carro
quando flores, quando jovens
meia escuridão, todo arfar, todo tanto
venha luz
traga o delírio de ser cega cega
desintegrar-me
do sôfrego amor
onde meu corpo era um só
dele e o meu, esguios
sorrisos iluminados
da meia noite, a meia luz
venha luz, erradia
pois estou ao meio
da meia noite, sem dia
nem mais meio dia, dia e meio
no contorno daquele corpo
também ao meio de mim
debruçado na memória
tão perto, tão pedaço,
tão ao meio
nesse meio ido
partido
na minha partida...
luz!






cintia thome























......................................

Nenhum comentário: