"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

20 de mar de 2010



Rondas aqui em meu quarto
Porque quero
Escuto o que bebes
Um corpo,
Transparente, quente
Corpos, suores
Lambes a boca
Boca dos céus
Derramas prazer infinito
Agarro-te
Porque quero
Viver

Escuto o que bebo
Um copo,
Transparente, frio
Copo gelado, suores
Boca de vidro chora
Derramo lágrima infinita
Rondas aqui em meu quarto
Agarro-te
Porque quero
Doer



Cíntia Thomé





Imagem:google

Nenhum comentário: