"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

2 de fev de 2008

FLOR DE AMOR (CARNAVAL)



FLOR DE AMOR

Chegou a menina
Tão faceira
Havaiana colorida
Na avenida, no salão
Bailarina catita
De loura Monroe
De Iemanjá balançou
Tua formosura fulo
Vem, vem
Ô..Ô...Ô...
Vou tirar a flor
Dos cabelos mechados
Trançando o meu calor
Dona Flor dança a ciranda
Chamo-te Carmem Miranda
Quero ser na tua cabeça
Balaio de fruta de amor
Menina doceira
Baiana bonita
Roda ali roda aqui
No meu peito, no meu cheiro
Do tablado me dá a pimenta
Esquenta meus olhinhos
Vem, vem
Ô..Ô...Ô...
Dá-me um beijo doce
Despetalando serpentina
Moça traquina no trio
Eletrizando esse rio de amor
Vem, vem
Ô...Ô...Ô
Moça dengosa
Princesa cabrocha
Te tiro o laço
Na tua pele caço
Nossa alegria
Vem, vem
Ô..Ô...Ô...
Ao sol raiando
Confete purpurina
Não me canso
Da minha mão
Na tua cintura
Vem, vem...
Menina roseira
Beijo na brincadeira folia
Na paixão gostosa
Vou tirar a flor
Desabrocha, desabrocha
Pro nosso amor
Vem, vem...
Ô...Ô...Ô...

Cíntia Thomé
.

Nenhum comentário: