"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

22 de abr de 2012

FLOCOS MADREPÉROLA




se teu rosto virou pó
na memoria
de toda a minha estória
vai a poeira que brilha
nesta ilha
de mentira que é a vida
em flocos madrepérola
este facho de luz
ecoa uma canção
que já não dá não
para agarrar  qualquer coisa
pois levaste a minha mão
meus anéis tão fieis
e qualquer laço qualquer coisa
de um já exaurido coração
que nada mais ou qualquer coisa
se espelha




CÍNTIA THOMÉ

Nenhum comentário: