"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

25 de abr de 2011

CERTA BELEZA



CERTA BELEZA



Apaguem a luz
Não há galhos nas calçadas
Perderam-se na dor da estrada
O risco, riscado da palavra
A dor lancinante
Do alfinete, um coito
Perfura alma, corre, corre
Refeita a cama em chamas

A garganta não agüenta colarinhos
Afrouxa a vida, alisa meus pelos
Lambe a pele, lambe suor
Calafrios dos meus cios
Recostada ao seu corpo flamejante
Amor, amor profundo
A louca e o louco
O amor e o amor
Fios eletrizados, curtos
Nos faróis do carro

Morrer, morrer
Paixão derramada
Certa beleza d'alma
Nos céus de todas as bocas
Sussurros, ais, ais
Silencios gravitam
Ai que amor ai
Ai que dor ai
Quando amanhece vai
E você não volta

Apagada, transparente
Volta, volta
Amor, amor
Assim chamo-te
Chama, chama...
Arda



Cíntia Thomé





...uma saudade que dou direito, mas nunca mais dever, pois há lágrima e hoje posso escrever poesia, pois todas as poesias tem gosto de 1° de abril...esvai-se, uma mentira de amor, de sonho verdadeiro, bem sonhado...bem vivido...fugidio...




Foto Motel anos 70

Nenhum comentário: