"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

2 de mar de 2011

TRANÇADOS ILUMINADOS DA VIDA




TRANÇADOS ILUMINADOS DA VIDA


Instantes em clarões
Serpenteiam, surram a alma.
Círios que derretem meu universo.
Faísca que circula meu mundo
Corta-me a espada ardente
Apagões em lustres do teto lilás
Capim dourado em néon
Tanques de barquinhos balançam
Incendeiam na fome do aconchego
Dias da vida em paixão
Envolve-me, abraça-me!
Procissão de raios do querer
Candeeiros carnais
Labaredas dos cabelos grisalhos
Fundem-se na minha verde mata
Ereções queimadas em sorgos.
Trigo em fornalha, quente pão.
Lampejos em réstias
Trançado eterno
Zumbido do vento
Cânticos da fúria ensurdecem
Calam bocas em silêncio
Seios da montanha crispam
Corpo erecto, lascivo.
Gotas de suor perfuram tronco
Perde-se o chão, a seiva.
Terra molhada perfumada pela união
Levanta-me em galhos
Erupção na selvagem floresta
Clareira do aborto em amor
A tempestade de pingentes cristais
Dos sozinhos, dos desenganados.
Espatifam em tristeza as cores da vida
No sempre dos amanhãs em mormaço
No horizonte uma gota escorre em pesar
Romântico de Chopin
Danço no leque do arco-íris tardio
Canteiro de gozadas flores felizes
Pés delicados valsando longe da escuridão,
Das pedras em calafrio
Evaporam-se no mar.


autora: Cíntia Thomé

















Livro Olhos de Folha Minha
2008

Nenhum comentário: