"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

8 de mar de 2011

MULHER




MULHER



Não, não me diga que o amor não existe
ele existe! Eu sei, pois sou feita dele
qualquer um já teve os pés flutuando
os braços moles, os dentes rangendo
as pernas formigando, os pelos eriçados
as mãos suando, suando
e o sexo úmido... úmido
por que não dizer, molhado, encharcado
pedindo uma mão
sim, uma forte mão
a mão do desejo dos teus olhos
não, não venha me dizer
que o amor não existe
o amor é mulher, é feminino
entretanto aborta, corta, dilacera
o clitóris sangra, parindo sempre
desejos, a volúpia das línguas
os lábios e beijos
mulher dá a vida... A vida!
vida ao menino, ao homem, aos deuses
sim, sim o amor só existe nela
fundem-se Eros e Psique,
fulgura a feminina flor
os anjos enlouquecem
os fantasmas desaparecem
dá a pele, dá teus seios
teu leite, é ninfa, é moça, é toda!
mulher divina, imaculada, vadia
no couro animal, no pelo, nas sedas e cetins
mulher que dá prazer, agonia
esquenta e esfria corações
é pérola de concha aberta
é água que derrama sobre a areia
frívolas e instantâneas marcas
colares laços lascivos e meigos
é ferro quente a machucar a carne
dos fracos, oprimidos homens
o amor existe
é a leoa, a presa, a camaleoa
necessita do homem, corre dele
fácil caça, pois exala perfume doce
retumba, morre na boca da paixão
mãos macias e podem derrubar valores
dedos em riste ou mãos estendidas
unhas engrossam por cada lenda
estórias dos pesadelos, dos sonhos
contam um por um pelas ruas e labirintos
para a humanidade ser mais feliz e mais bela
na dor, na alegria e no reconhecimento
é soberana, pois dela nasce
seu filho, seu pai, sua mãe
mas o amor existe
ela que anuncia
direitos e deveres
faz as escolhas
coroa seu Rei
faz da fraqueza o poder
o Amor existe
porque só dela
é cobrado o preço
do sofrimento e da felicidade
de ser mulher.


Cintia Thomé












Imagem ; Fotógrafo Desconhecido - Cíntia Thomé 2011

Nenhum comentário: