"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

2 de ago de 2010

quando



Quando tudo terminou
Não havia paisagem
Nem rosto no asfalto
A lua se escondeu
Regurgito do que passei
Ocre, acre, agridoce.
Ai que merda!
A lama secou
Desnuda escultura
Pisoteada ao meio
O meio de uma vida
Começo, meio sumiu. Fiu!
Virou esquina, recomeço curvo
Hiato extirpado visceral
Visceralmente a mente
Retorno do bom beijo
Sem rosto terminado
Nos tantos lábios
Na paisagem cru asfalto
Um sinal, mau sinal
A lua apareceu alcoolizada
Tudo devorado pelas pernas
Do riacho, do rio
Das mentiras cansei
E acima e em cima
Eu sem o meio
Sem meio


Cíntia Thomé










Imagem: a.hernandez-lisboa-portugal

Nenhum comentário: