"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

13 de nov de 2009

MEIO-DIA MEIO-EU





meio-dia meio-eu

Esqueci o verbo
Qualquer som da boca
Essa coisa que é coisa
Coisa humana oca
Pois humana é a coisa
E a humanidade é coisa
E meu natural é inverso
Entre os dentes dos meus olhos
Que escancaram alegria, torpor
Nos olhos d'água
No meus espelhos d'água
É o Mar...esse mar, água louca
Berra seus cânticos em ondas
e seus dentes são a espuma
Que bebo, engulo em águas redondas
Depura todos os erros
Cortam todos os espinhos
de meus pensamentos
meus gravetos
que construíam meus ninhos
Fico com coisa alguma
Não há lamento
pois a arte é essa
taciturna melodia
sem melancolia, pois arde...
arde, arde
ao sol do meio-dia
essa tamanha excelência
o meio-dia de mim
metade florescência
Benção
sem verbo
sem palavra
mas ar...assobio
que venha só ar

vento


Cíntia Thomé




.



Imagens: Cíntia Thomé

Nenhum comentário: