"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

23 de out de 2009

uma estória




Foto manipulada Cíntia Thomé





uma estória




Tenho uma estória belíssima
Um coração cheio de vontade
A tua metade a minha metade
todo o silencio
E toda a palavra
Toda a canção
Um só envolvimento
Um sentimento num só pensamento
Um só corpo
nossas faces espelhadas
Mãos fortes ancoradas
Um porto seguro
Sonho em beijos molhados
do céu a chuva
do sal a água, o suor
Da cabeça aos pés
Aos teus pés aos meus
Uma transa de olhares
Nos ombros da vida
Teus braços
Ao toque de tanto amor
De tanto amor
Uma estória belíssima
E toda canção
Coração cheio de saudade
Cheio de vontade
Conspirando
Nossas vaidades
Uma estória belíssima









Cíntia Thomé

Nenhum comentário: