"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

16 de jun de 2011

SONHO PERFUME



SONHO PERFUME

Albatroz
Entregue suas asas em minhas mãos
Leve-me ao negrume do céu e ao breu do oceano
Retirando todas as minhas virgindades
E que todas as ondas sejam páginas viradas
Palavras passadas que não entendi
Apunhalando-me como toras
Vigas encharcadas ao meu peito
E este esplendor da briga dos raios
Que flecham meu corpo frágil
E que me faz aqui à beira chorar
Lágrimas tornam-se um mole charco a meus pés
Tombo, quedo, rolo... afundo lama
Albatroz
Jogue-me nas marolas, aos faróis
Como anzol
Onde minha pele crepitará ao fogo que lá existe
Esfriarão os sangues no finito azul
Banho sem vestes, flor liberdade
Albatroz
Empreste-me suas asas ou leve-me às suas costas
Para a luz, clarão da manhã
Que eu me veja alvo pão
Com o manto das estrelas quase adormecidas
Congrace o dia, esse amor que quero
Pois sinto o odor do suor da maruja paixão
O sonho perfume de quem quero
Navegar, acasalar, casar... estrela do mar
Mas antes, que as águas me abençoem
E que o sol me coroe
Tiara salina diamante
Tornando-me vermelha, corada para amar
Bronze, brilho, entrega brilhante...
Que as vozes cristais do vento e do mar
Digam sim.
Na paz e pela paz...
Pai,
Albatroz voe!

Cíntia Thomé





Imagem Fotógrafa MARIAH, site Olhares - Portugal

















......................

Nenhum comentário: