"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

17 de mai de 2011

Uma Flor Branca na Barca





Cíntia Menina, Maria Mulher
-Uma Flor Branca na Barca-


Cíntia, Mulher menina, Mãe filha
Veio doce dolorosa Maria também
Veio como uma flor
Pousada numa barca-branca
Luzia pela lágrima que surgia no centro
Cíntia Maria Maria Cíntia
Fragilidade e força
Tinha os olhos espelhos
Onde todo fotógrafo se curvava
Tinha as palavras na boca
Onde o verso se rendia
Tinha muito mais, um coração de alva
Cuja vestimenta de pano branco
Rendia-se a oração em momentos de sacrifício
Maria de mãos erguidas orava
Cíntia de mãos pousadas recebia
E a todos encantava com seu carisma.
Na barca branca e flor
Olhar e ler Maria era atravessar o dilúculo
E em nós despontava o magistério do seu brilho
Mais que lágrimas, vinha o sorriso amadurecido
De quem olha com saber
De quem atravessou águas abismais
E nunca ficou dependurada
Seguiu o caminho do Louco
A carta que inicia qualquer baralho
Para depois regressar sábia
E olhar-nos com olhos de Mãe, Mulher...


Aninha Fernandez
(Ana Maria Fernandez)
2005
,Portugal, Lisboa










.



2005 NãosouEuéaOutra

Nenhum comentário: