"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

31 de mai de 2008

DE(S)AMOR

Imagem Fotógrafo André Gonçalves - Teresina, PI





DESAMOR...


Nenhum arrulhar seria canção
Nenhum olhar seria para você me amar
Nenhum ruído faria encantar
Estaria eu a cair dos beirais
Não voaria a buscar
Meus braços voariam a você
Engulo soluços desse Desamor
A céu aberto
Ah! Rouxinol!
Decretaste o fim das minhas asas
E me sinto em nadas
Um quieto passarinho
Num telhado quente
Solvente que me dilui
A um último triste sol
A um vão do pensamento
De saudade
Onde raios agasalhavam
O que foi ninho
De Amor


Cíntia Thomé
.

Nenhum comentário: