"A profundeza abissal da palavra declamada
ecoa nítida na linguagem abstrata
das mãos (gestos prontos),
e o atrito dos dias confunde as cicatrizes do tempo,
derramado sobre a mesa o poema
ignora nas pálpebras o pesadelo do sonho"

(Júlio Rodrigues Correia)





.

29 de mai de 2011

"O GRANDE MESTRE MÁRIO GRUBER'' EXPOSIÇÃO GALERIA 22



"O GRANDE MESTRE MÁRIO GRUBER" EXPOSIÇÃO GALERIA 22

Curadoria: Reinaldo Marques

ABERTURA
Dia 01 de junho de 2011 - quarta-feira, das 19h às 22h.





EXPOSIÇÃO
02 a 15 de junho de 2011
Segunda a sexta das 10 às 18hs.
Sábado das 10 às 17hs.


LOCAL
Al. Gabriel Monteiro da Silva, 2057 - Sobreloja
Jd. Paulista - São Paulo - SP - Fone: (11) 3742-0294
E-mail: galeria22@galeria22.com.br










Gruber , o artista sem fronteiras


Mário Gruber é um artista de múltiplas especialidades: pintor, ceramista, cenógrafo, fotógrafo, gravador e professor.

Mário faz da gravura, por sua possibilidade replicante, a mensageira de seu olhar sobre a arte, ao propor uma nova ordem no fazer e no pensar, ao utilizar-se de aparente figuração para fundir a modernidade à contemporaneidade.
Provoca um dialogo constante entre gerações: tempo e espaço, vanguarda e não vanguarda, arte do passado e do presente. Nega estilos e técnicas, nega a divisão entre abstrato ou figurativo.
Mário Gruber faz uma arte do futuro com valores do passado e do passado com valores de futuro, uma arte sem fronteiras onde o homem e seu cotidiano não estão retratados e sim representados graficamente pela vivencia poética e pela forma criadora do artista.

Fernando Durão
Artista Visual


Mario Gruber

Mário Gruber Correia (Santos SP 1927), autodidata em pintura, inicia seus trabalhos em 1943. Três anos mais tarde, em São Paulo, estuda com o escultor Nicola Rollo na Escola de Belas Artes de São Paulo, e passa a pintar em praça pública, quando trava contato com Mario Zanini e Bonadei. Trabalha com Di Cavalcanti e estuda gravura com Poty, durante 1948. Com bolsa de estudos do governo francês viaja, em 1949, para Paris, onde estuda na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts com Édouard Goerg. Ao retornar para o Brasil, funda o Clube de Arte, em Santos, e leciona gravura na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo, entre 1951 e 1953. Neste ano, trava contato, em Santiago do Chile, com o muralista Diego Rivera, que lhe transmite ensinamentos sobre materiais e técnicas da pintura mural. Funda a União dos Artistas Plásticos de São Paulo em 1956. Entre 1961 e 1964, leciona gravura em metal na Fundação Armando Álvarez Penteado. Na década de 70, monta oficina onde trabalham vários artistas, entre eles Wesley Duke Lee e Frederico Nasser. Dedica-se em especial à calcografia e produz edições de gravura em metal na Impremérie Georges Leblanc, Paris. A partir de 1979, monta ateliê em Nova York, quando divide suas atividades entre esta cidade, Paris e São Paulo. Em 1982, é homenageado com o curta-metragem A Arte Fantástica de Mário Gruber, de Nelson Pereira dos Santos.2010, Exposição individual O artistas sem Fronteira Galeria Pamtemporânea, curadoria Fernando Durão.






AS IMAGENS NÃO SÃO OBRAS DA EXPOSIÇÃO
Fonte: http://www.aloartista.com/apap.asp

Nenhum comentário: